Dicas de vendas: como as metas ajudam a vender mais (e melhor)

Atualizado: 20 de Mar de 2020


Definir metas e objetivos é essencial para todos aqueles que desejam alcançar o sucesso em sua jornada, seja uma empresa ou um profissional. Sem meta, não há clareza sobre qual resultado se pretende alcançar. Sem meta, qualquer projeto fica sem força para ser tracionado, já que pela ausência de um alvo claro, não há o que se buscar, não há pelo que se esforçar, ninguém sabe onde se deseja chegar.


Mas, afinal, o que é uma meta? Metas são objetivos tangíveis, que possam ser mensurados através de um número em um determinado período de tempo. Exemplo: Nossa meta de vendas deste mês (período) são de quinhentas linhas (número). Se faltar qualquer um destes dois itens, deixa de ser uma meta.


Uma boa meta precisa ser feita a partir de um planejamento, levando em consideração a capacidade de se buscar o resultado (condição) e também o tamanho do mercado (possiblidades). Isso garante que as metas tenham coerência, pois não são feitas sem um critério, simplesmente por achismo.


A meta deve gerar motivação em quem a recebe, por trazer desafio, perspectiva e fé. Metas bem feitas ajudam profissionais e empresas a ampliarem seus limites e irem além do que já foram anteriormente. Porém, se a meta for mal definida, por ser irreal (inalcançável), ela pode gerar o efeito contrário, ou seja, frustração e desmotivação, por tirarem das pessoas a força e a esperança de poderem chegar nos objetivos traçados.


Metas são dadas a profissionais em que se confia. Só se desafia a crescer a quem se acredita que tem potencial para isso. Então, receber uma meta não deve ser visto com receio ou insegurança, mas pelo contrário, uma meta dada é uma chance a mais de cada um provar suas habilidades, conhecimentos e competências.


Outro ponto importante para se alcançar metas, é que elas sejam fracionadas em partes menores. Desta maneira, o objetivo fica mais fácil de ser alcançado, já que se busca num primeiro momento apenas uma parte da meta e não o todo. Por exemplo: é muito mais simples um vendedor trabalhar por dez linhas vendidas por dia do que duzentas linhas no mês - embora o número final, seja obviamente o mesmo depois de vinte dias trabalhados. Trabalhar desta maneira, facilita muito o atingimento de metas, pois ajuda o equilíbrio emocional para a realização do trabalho.


Além disso, diluir a meta em sub-metas possibilita ao ajuste da meta ao longo do período caso alguma não tenha sido alcançada. Exemplo: Se o objetivo é vender cinco linhas por dia e numa certa semana se conseguiu vender apenas quatro linhas por dia, isso significa que o déficit de cinco linhas não vendidas nesta semana pode ser ajustado sobre as metas da próxima semana, subindo para seis, durante este próximo período.


Dentro deste contexto, são inúmeras as possibilidades de se dividir as metas em frações menores. Alguns exemplos são: meta por hora, meta por turno, meta por dia, meta por semana, meta por quinzena, meta mensal, meta bimestral, meta trimestral, metra quadrimestral, meta semestral ou ainda meta anual. Essa é uma decisão que deve ser tomadas pelos gestores e também por vendedores, que podem tomar a iniciativa de usar essa tática de atingimento de metas.


Por fim, para que se tenha êxito nas metas, é fundamental que elas sejam abraçadas pelos profissionais. Afinal, de nada adianta termos metas claras e bem definidas, metas coerentes e ao mesmo tempo estimulantes se elas não forem bem recebidas pelo profissional. As metas não podem ser somente da empresa, elas precisam ser nossas, minhas. Caso contrário, como se alcançar aquilo em que não se acredita, não se abraça? Todos os campeões em atingimento de metas são pessoas que creem que podem chegar no objetivo proposto, que tomam para si aquilo que foi passado.